A mãe do Pai

A MÃE DO PAI: (uma linda reflexão para quem é mãe de menino e nora)

A mãe da mãe tem as portas abertas.

Liberdade, intimidade, jeitinho.

É coadjuvante da novidade, doadora silenciosa do amor.

Cúmplice de uma nova mãe que merece e precisa da sua presença.

Mas e a mãe do pai?

Quão difícil deve ser mãe do pai.

Achar a brecha, encontrar o lugar, se chegar.

A mãe do pai não tem quem ajudar nas posições das mamadas, não tem quem fazer compressas pré amamentação.

Para isso já existe a mãe da mãe.

É ela quem o coração de filha pede.

E assim, a mãe do pai fica ali, observando de perto mas de longe.

A mãe do pai não tem desculpas para visitas demasiadamente prolongadas.

Precisa ir na coragem, na boa cara de pau, na fé.

A mãe do pai não pode ligar 3x ao dia para saber como está o toquinho de gente que fez seu coração explodir mais uma vez.

Ser mãe do pai é presenciar o filho se descobrir na paternidade, e ao mesmo tempo ter relances do garotinho que ontem segurava sua mão, e agora segura um bebê.

Ser mãe do pai é querer beijar, abraçar, palpitar na vida de um bebê que é tão seu, mas nem tanto.

É o amor incondicional que não pode chegar arrombando, precisa ser manso, bater na porta.

Ser mãe do pai é ter que aprender a respeitar a ordem do tempo e principalmente das coisas.

É o amor resiliente, humilde, paciente.

Tenho a impressão que ser mãe do pai é o mais paciente dos amores.

É a união do amor com a espera.

Espera pelo momento, pela sua hora.

É falar, já que às vezes o amor fala demais, e se arrepender.

A verdade, que não se pode negar, é que a mesma frase dita pela mãe da mãe, é recebida de forma diferente quando dita pela mãe do pai.

Ser mãe do pai é enxergar em outra mulher não somente a esposa do filho, mas a guardiã e mãe do novo ser que é tão importante na sua vida.

Ser mãe do pai é um papel tão complexo que assusta.

E me traz uma ponta de tristeza, pois um dia será a minha vez.

E uma ponta de vergonha, já que lembro da minha sogra e da sua jornada como mãe de pai.

Pensando assim meu coração me pede mais paciência, compreensão, tolerância.

Me pede para lembrar que quando o assunto é amor para os meus filhos, seja da mãe da mãe, ou da mãe do pai, nunca é demais.

OBSERVAÇÃO E NOTA DA AUTORA:

Lendo alguns comentários gostaria de esclarecer aqui que tenho consciência que nem toda sogra é “perfeita”, assim como nem toda nora, e nem todo marido, e nem toda mãe, e nem todo o filho, e a lista não tem fim.

O texto foi uma reflexão, como mãe de meninos e como nora que sou, da complexidade que é ser avó paterna.

Muitas vezes é preciso mais tolerância e empatia de todos os lados. Se colocar no lugar.

Todas nós somos mães perfeitas até o dia que temos um filho.

O mesmo é válido para o papel de sogra. Todas nós somos sogras perfeitas, até o dia que realmente temos uma nora.

Vale lembrar que não importa quem começou com os atritos, o primeiro a perdoar e a andar em direção ao amor é sempre o mais feliz.

E isso vale para a convivência com a sogra, para relacionamentos amorosos, para amizade, e para a vida.

Algo que com muita dificuldade tenho tentado aprender e por isso estas palavras, e por isso este texto.

Autora: @a.maternidade – Rafaela Carvalho

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: